Talvez uma das primeiras coisas que você se pergunta quando vê um robô se mexendo seja quem o controla. Qualquer que seja o robô ou seu método de controle, toda a “mágica” acontece dentro do microcontrolador, que é o lugar onde todos os comandos são processados. Todo robô tem um cabeça por trás de tudo que ele faz, no nosso caso nós vamos focar em usar o Arduino como sendo a “cabeça”, que por sua vez usam chips microcontroladores da Atmel.

Há vários tipos de Arduino com diferentes tamanhos e diferentes capacidades de processamento, isso porque eles precisam se adequar a diferentes projetos. O Arduino ideal para usar na OBR (Olimpíada Brasileira de Robótica) é o Arduino Mega 2560.

Arduino

No total, essa placa tem 54 portas digitais e 16 portas analogicas, o que ajuda bastante na hora de fazer um robô com uma grande quantidade de sensores. Das 54 portas digitais, 15 podem ser usadas como portas PWM, 2 portas podem ser utilizadas para comunicação I2C  e 8 portas para comunicação serial. Todas essas funcionalidades vão ser explicadas em outras aula. É bom lembrar que o Arduino Mega já vem com um LED embutido na placa que está diretamente conectado com a porta digital 13, então é bom evitar utilizar a porta 13 para conectar sensores de leitura para não acabar causando confusão com o LED.